Reflexões sobre Chanel

Hoje completou-se 45 anos sem a maior diva da moda, na minha humilde opinião, Coco Chanel, originalmente Gabrielle Bonheur Chanel. Uma mulher que revolucionou a história da moda, quebrou paradigmas, enfrentou preconceitos, foi além de todo e qualquer limite para conseguir o que queria.

Muito além de referência em Moda, a invejinha branca que eu sinto por sua vida em Paris ou por todo o seu legado, Chanel foi uma mulher para quem eu faria reverência, ela foi muito mais alma, sonho, libertação, simplicidade que suas tão exaltadas elegância e sofisticação.

Assisti ao filme Coco antes de Chanel, (umas 4 vezes rs) e também já li muito sobre ela, não sem motivos é uma das mulheres que mais admiro, fico pensando se as meninas que sonham ter uma bolsa Chanel, ou dizem que necessitam de um de seus perfumes,  que exaltam a marca fazem ideia de como foi sua construção, dos medos, dos problemas, das situações que Coco Chanel enfrentou buscando melhorar seu destino de menina pobre, a estranheza com a qual era encarada, seus talentos, seus sonhos…

As vezes nos achamos diferente, nos esforçamos para sermos encaixadas em ambientes, em grupos, tentamos ser iguais a todo mundo quando na verdade deveríamos nos mostrar unica e exclusivamente como realmente somos. Chanel tentou se encaixar, mas sua autenticidade gritante não permitiu, e foi justamente sua diferença e originalidade que a fez um dos maiores ícones de moda de todos os tempos.

A Coco dentro de Chanel sempre foi seu maior triunfo, aquela magia, brilho nos olhos, aquele se bastar, aquela energia de quem precisa se realizar, se encontrar, ser alguém, que buscava ter a liberdade de se entregar só por querer, só por amor… as vezes penso se não é isso que falta nas pessoas de hoje, buscar sua essência, seus sonhos mais profundos para alimentar e ser combustível para enfrentarmos esse mundo cão. Descobrir quem realmente somos, o que realmente queremos, e não nos tornarmos bonequinhos montados, produzidos em série e quase que  igualmente vestidos que vemos por aí.

Muito antes de ser moda, ostentação e luxo, Chanel foi sempre personalidade, simplicidade e autenticidade e creio que para ela isso ainda seria muito mais importante que o preço que pagam pelas suas peças.

 

Lívia Monteiro

Lívia Monteiro é publicitária, produtora de eventos, especialista em gestão cultural e em projetos. Representante Oficial do Fashion Revolution em BH. CoFounder e CMO do Cidadela. Fascinada por moda, cultura, cinema e literatura, vive com a cabeça na lua e precisa lembrar de manter os pés no chão...